quinta-feira | 19 - outubro - 2017
Home / Colaboradores / Bruno Medeiros / John Yoshio Naka

John Yoshio Naka

John Yoshio Naka (1914-2004) nasceu no Colorado – EUA, mas foi morar no Japão com sua família aos 8 anos de idade. Lá, ele trabalhou com seu avô, Sadahei, que colecionava bonsai, e foi através dessa relação que John foi exposto pela primeira vez à arte. John voltou para os Estados Unidos com 21 anos, casou-se com Alice Toshiko Mizunaga e depois trabalhou na fazenda da família por cerca de 10 anos antes de se mudar para o sul da Califórnia, onde ele desenvolveu uma empresa de paisagismo e iniciou a sua própria coleção de bonsais.

John Yoshio Naka

Como membro fundador da Sociedade de Bonsai do Sul da California, exibiu suas árvores em shows, e sua reputação como um artista de bonsai se espalhou. A sua forma de ensinar esta arte, em grande parte apoiada na cultura e ensinamentos dos ancestrais japoneses, cativou facilmente as pessoas, e dessa forma contribuiu em muito para divulgar o bonsai nos Estados Unidos. Começou a participar (e naturalmente, a vencer) em exposições e a criar grupos organizados, acabando por estar ligado, de alguma forma, à criação e crescimento de inúmeras associações, clubes e grupos dedicados ao bonsai.

Com o passar dos anos, John Naka viria também a participar em congressos e exposições na Austrália, Europa e África do Sul. Por isso mesmo, é considerado não só um dos maiores mestres de todos os tempos, mas também um dos principais impulsionadores desta arte em todo o mundo ocidental, com ensinamentos que transcendem o bonsai e que se aplicam mesmo à vida cotidiana. John Naka é, sobretudo, uma inspiração.

Em 1973 ele publicou, em inglês, o livro Técncias de Bonsai I, que recebe reimpressões até o presente momento, em inglês e em outras línguas. Esse livro foi seguido posteriormente pelo Técnicas de Bonsai II, em 1982. Esta obra em dois volumes é considerada a bíblia do bonsai, verdadeiramente obrigatória para todos os amantes desta arte, indicada quer para iniciantes, quer para o público mais experiente. Ambos os livros contêm numerosas fotografias e desenhos ilustrativos de autoria do próprio Jonh Naka, que são amplamente utilizadas por várias amantes da arte bonsai.

Após sua morte, a Fundação Nacional de Bonsai publicou o livro “The John Naka Sketch Book”, que contém uma seleção de seus desenhos de bonsai.

Parte importante do seu legado é também o conjunto de trabalhos que deixou, a maioria deles actualmente em exposições públicas norte-americanas. Em 1984, John doou ao Bonsai National Museum & Penjing, situado nos Estados Unidos, seu bonsai que é considerado como a maior obra-prima do mestre, o Goshin (guardião do espírito).

Esta plantação de florestas, com onze Juniperos (Juniperus chinensis ‘Foemina’), representando cada um dos seus netos, é o ícone de instalação do Museu e tem lugar de honra no Pavilhão norte-americano John Y. Naka , que foi dedicado ao mestre em 1990.

A criação da floresta Goshin teve inícios em 1948, quando John Naka começou a preparar os primeiros Juniperos, e que apenas ficaram prontos para exposição doze anos depois. A idealização de criar uma pequena floresta teve lugar em 1964, sua formação inicial tinha 7 exemplares. A dimensão da floresta Goshin foi acompanhando o número de netos, e atingiu o seu estado final em 1973, com o nascimento do 11º descendente, e consequentemente, com a adição do 11º Junípero.

John recebeu vários prêmios por seu trabalho e sua convicção de que “a arte do bonsai pertence ao mundo inteiro”. Em 1985, o Imperador do Japão concedeu-lhe a “Quinta Classe Ordem do Sol Nascente”, que é o mais alto reconhecimento que o Império do Japão pode conferir a uma pessoa que não é um cidadão desse país. Em 1992 recebeu o National Heritage Fellowship da E.U. National Endowment for the Arts e em 2004, a Japanese American National Museum nomeou-o primeiro Embaixador Cultural da instituição por seu trabalho na partilha de bonsai com o mundo.

Falecido em 19 de maio de 2004, aos 89 anos, John Yashin Naka mantém-se vivo pelo legado que deixa, pelos ensinamentos que passou e pela forma como estes disseminaram o gosto pela arte – e a arte em si – do bonsai. Mas sobretudo, Naka permanece presente através do extenso e fabuloso conjunto de trabalhos que deixou ao mundo.

Com o passar dos anos, John Naka viria também a participar em congressos e exposições na Austrália, Europa e África do Sul. Por isso mesmo, é considerado não só um dos maiores mestres de todos os tempos, mas também um dos principais impulsionadores desta arte em todo o mundo ocidental, com ensinamentos que transcendem o bonsai e que se aplicam mesmo à vida cotidiana. John Naka é, sobretudo, uma inspiração.

Em 1973 ele publicou, em inglês, o livro Técnicas de Bonsai I, que recebe reimpressões até o presente momento, em inglês e em outras línguas. Esse livro foi seguido posteriormente pelo Técnicas de Bonsai II, em 1982. Esta obra em dois volumes é considerada a bíblia do bonsai, verdadeiramente obrigatória para todos os amantes desta arte, indicada quer para iniciantes, quer para o público mais experiente. Ambos os livros contêm numerosas fotografias e desenhos ilustrativos de autoria do próprio Jonh Naka, que são amplamente utilizadas por vários amantes da arte bonsai.

Após sua morte, a Fundação Nacional de Bonsai publicou o livro “The John Naka Sketch Book”, que contém uma seleção de seus desenhos de bonsai.

Parte importante do seu legado é também o conjunto de trabalhos que deixou, a maioria deles atualmente em exposições públicas norte-americanas. Em 1984, John doou ao Bonsai National Museum & Penjing, situado nos Estados Unidos, seu bonsai que é considerado como a maior obra-prima do mestre, o Goshin (guardião do espírito).

John Naka

Esta floresta, com onze Juniperos (Juniperus chinensis ‘Foemina’), representando cada um dos seus netos, é o ícone de instalação do Museu e tem lugar de honra no Pavilhão Norte-Americano John Y. Naka , que foi dedicado ao mestre em 1990.

A criação da floresta Goshin teve início em 1948, quando John Naka começou a preparar os primeiros Juniperos, e que apenas ficaram prontos para exposição doze anos depois.

Goshin John Naka

A idealização de criar uma pequena floresta teve lugar em 1964, sua formação inicial tinha 7 exemplares. A dimensão da floresta Goshin foi acompanhando o número de netos, e atingiu o seu estado final em 1973, com o nascimento do 11º descendente, e consequentemente, com a adição do 11º Junípero.

John Naka Goshin

John recebeu vários prêmios por seu trabalho e sua convicção de que “a arte do bonsai pertence ao mundo inteiro”. Em 1985, o Imperador do Japão concedeu-lhe a “Quinta Classe Ordem do Sol Nascente”, que é o mais alto reconhecimento que o Império do Japão pode conferir a uma pessoa que não é um cidadão desse país. Em 1992 recebeu o National Heritage Fellowship da E.U. National Endowment for the Arts e em 2004, a Japanese American National Museum nomeou-o primeiro Embaixador Cultural da instituição por seu trabalho na partilha de bonsai com o mundo.

Falecido em 19 de maio de 2004, aos 89 anos, John Naka mantém-se vivo pelo legado que deixa, pelos ensinamentos que passou e pela forma como estes disseminaram o gosto pela arte – e a arte em si – do bonsai. Mas sobretudo, Naka permanece presente através do extenso e fabuloso conjunto de trabalhos que deixou ao mundo.


Fontes de consulta:
http://www.omeubonsai.com/artigo/grandes-mestres-bonsai-john-yashin-naka
http://www.bonsai-nbf.org/site/naka.html

Sobre Bruno Medeiros

Praticante da arte bonsai desde a adolescência, aprimorou sua dedicação pela arte após sua graduação em Ciências Biológicas e posterior especialização em Artes Visuais. Foi Presidente Fundador da Associação Bonsai Mato Grosso, em Cuiabá/MT. Atualmente reside em São José do Rio Preto/SP, sendo Diretor da Associação Bonsai Clube Rio Preto.

Veja essa publicação também!

Guia de Pragas e Doenças

Visitando o site da Bonsai do Campo, encontrei um guia muito bacana, feito pelo Edson …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *