sexta-feira | 15 - dezembro - 2017
Home / Adubos e Insumos / Guia de Pragas e Doenças

Guia de Pragas e Doenças

Visitando o site da Bonsai do Campo, encontrei um guia muito bacana, feito pelo Edson Bruno Anderman, sobre Pragas e doenças que afetam os bonsai e os principais produtos utilizados para controle. Leitura muito interessante. Confiram!

Primeiramente é importante esclarecer a diferença entre pragas e doenças.

Entendemos como pragas, os insetos, ácaros, moluscos, nematoides, etc, que atacam as plantas, com intuito de se alimentarem e também de utilizá-las como hospedeiras para fins de reprodução, causando danos severos e muitas vezes a morte do bonsai. Na maioria das vezes as pragas são visíveis a olho nu, como por exemplo os pulgões. Muitos insetos, ao atacarem as plantas, liberam também uma toxina que as danificam e inibem o seu crescimento e desenvolvimento.

Em relação as doenças, entendemos como o ataque por fungos, bactérias ou vírus, os quais afetam o tecido vegetal causando sintomas de ferrugem ou manchas necróticas (pintas pretas) ou ainda apodrecimento e murcha na planta. Também podem causar danos irreversíveis e morte das plantas.

De uma maneira geral, as pragas e doenças que afetam as plantas ornamentais dos jardins, hortas e pomares são as mesmas que afetam os Bonsai. Podemos então utilizar os mesmos produtos para tratamento.

Vamos abordar aqui os principais inseticidas e fungicidas disponíveis hoje em floriculturas, supermercados e casas agropecuárias, os quais denominaremos de defensivos de uso doméstico ou domisanitários. A principal vantagem destes produtos é o fato de podermos encontrá-los em pequena quantidade e também pelo fato de possuírem registro e liberação de venda para uso doméstico, diferentemente do grupo dos defensivos agrícolas. Os defensivos agrícolas normalmente são vendidos em embalagens maiores, são mais tóxicos, requerem cuidados especiais e só são comercializados mediante orientação e receituário elaborado por um agrônomo. A maior desvantagem dos defensivos domésticos seria em relação a sua eficácia no controle. Normalmente estes produtos agem por contato, não sendo absorvidos e translocados pelo sistema circulatório da planta, isto é, não tem ação sistêmica e curativa e, portanto, tem um efeito residual menor, sendo então utilizados de maneira mais preventiva do que curativa no controle das pragas e doença. Porém, atualmente existem alguns produtos mais modernos de uso doméstico que podem ter as propriedades sistêmicas e curativas, e sempre que possível, devemos dar preferência para o seu uso.

Antes de citar as principais pragas e seu controle, enfatizo como excelente opção de Inseticida curativo, o produto Resolva Spike, que vem em cartelas de comprimidos para serem enterrados no vaso. Este inseticida tem como princípio ativo o Tiametoxan e é um dos únicos inseticidas sistêmicos hoje no mercado na linha de produtos domésticos, com longa ação residual (até 3 meses), com ação sistêmica na planta e de ação curativa para o controle da maioria das pragas. A única ressalva quanto ao seu uso seria o tempo para agir depois de aplicado, que seria em torno de 3 a 7 dias.

Sempre antes de iniciar o processo de tratamento em seu Bonsai, procure adquirir junto com os produtos de controle, um bom pulverizador e um kit de proteção individual, como luvas, e máscara. Procure também sempre efetuar o tratamento pela manhã ou à tardinha, isto é, nas horas com menos vento e sol quente, e procure isolar os animais domésticos por um bom período de tempo. Siga sempre as instruções e cuidados de uso de acordo com o rótulo do produto.

Como principais pragas que afetam os bonsai e seus respectivos tratamentos temos:

Pulgões

São minúsculos insetos sugadores que normalmente são encontrados em grupos e que atacam folhas, caules, flores e brotos novos das plantas. São pequenos e se assemelham a piolhos que caminham lentamente, formando pequenos agrupamentos. São visíveis a olho nu, e normalmente atacam as partes mais tenras da planta, principalmente as folhas, causando amarelecimento, encarquilhamento de folhas e brotos novos. Podem ter várias colorações, como verdes, pretos, amarelos, castanhos etc. Seu dano é causado por sugarem a seiva da planta, liberando uma toxina para a mesma. Seus excrementos são um melado doce que muitas vezes atraem formigas.

Seu controle é relativamente fácil, podendo-se utilizar inseticidas em Spray como o Casa e Jardim. Outra boa opção seria o inseticida Inseticon (marca Insetmax) ou Resolva, cuja composição química é à base de Lambda-cialotrina, diluindo-se 25g para 5 litros de água ou 5 g para 1 litro de água, pulverizando toda a planta, semanalmente, até que os pulgões desapareçam. Uma novidade no mercado é o inseticida sistêmico Resolva Spike, na forma de comprimidos, que depois de enterrados no vaso, agem por até três meses controlando os pulgões, além de dar uma turbinada no seu bonsai, por conter fertilizante. Como apenas repelente, temos ainda a opção de pulverizar a planta preventivamente a cada 30 dias com óleo de Neen, como o Neen Max, na dosagem de 10ml por litro de água.

Cochonilhas

São insetos sugadores semelhantes a pequenas escamas que aparecem grudados no caule e folhas das plantas. Podem se apresentar em várias colorações e tamanhos, sendo na maioria das vezes visualizados a olho nu. Assim como os pulgões, eles sugam a seiva e excretam um melado doce, atraindo muitas vezes formigas e também um tipo de fuligem preta (fungo) denominado de fumagina. Neste caso se diferenciam dos pulgões por permanecer sempre fixos na planta e por possuírem uma pequena carapaça que recobre o seu corpo. Também formam agrupamentos nos tecidos da planta como caule, folhas, tronco, etc.

Para seu controle, recomendamos um inseticida, que pode ser o mesmo utilizado para combater pulgões, porém recomendamos também que se associe ao inseticida um óleo mineral, cuja função seria matar o inseto por asfixia e também para limpar o possível fungo preto denominado de fumagina .Podemos utilizar então o Malathion ( 5ml/1l) ou Insetcon (5g/1l) associados a um óleo mineral como o Sempre Verde (15ml/1l) ou um óleo vegetal como o Óleo Dimy (10ml/1l) e pulverizarmos semanalmente até que os insetos desapareçam. Também podemos controlar com o Inseticida sistêmico Resolva Spike em comprimidos, o mesmo citado anteriormente para controlar pulgões. Como apenas repelente, temos ainda a opção de pulverizar a planta preventivamente a cada 30 dias com óleo de Neen, como o Neen Max, na dosagem de 10ml por litro de água.

Ácaros

São minúsculas e quase microscópicas aranhas (família dos aracnídeos) que vivem em agrupamentos, caminhando e se alimentando da parte superficial das folhas e brotos novos, que assim como os pulgões, acabam liberando uma toxina que debilita toda planta. Normalmente são vistos através de lupas e se localizam principalmente nas folhas, formando minúsculas teias ao longo das mesmas. Como sintomas temos plantas amareladas e desbotadas e, por vezes encontramos uma fina teia que recobre as folhas. Incidem muito nos bonsai que permanecem muito tempo em locais fechados, com pouca luminosidade e sem ventilação. Muitas vezes batemos os brotos e folhas na palma das mãos ou numa folha de papel branco e, se tivermos paciência, veremos essas minúsculas aranhas, menores que um grão de areia, caminhando lentamente no papel.

Para combatermos os ácaros, devemos pulverizar a planta com inseticidas que tenham ação acaricida como Malathion (5m/1l) sempre associado à um óleo mineral como Óleo Mineral Sempre Verde na dosagem de 15ml para 1 l de água, ou de um Óleo Vegetal Dimy na proporção de 10 ml por litro de água, pulverizando-se a planta semanalmente até que desapareçam os sintomas. Outra alternativa seria utilizar um acaricida à base de enxofre como Enxôfre Dimy, vendido em envelopes de 30 gramas, utilizando-se 3 g por litro de água, pulverizando-se a planta toda semanalmente até desaparecerem os sintomas.

Outro produto que pode funcionar, devido a sua composição com enxofre, seria a Calda Sulfocálcica, com o nome comercial de Calda Sulfertilizante na dosagem de 10ml por litro de água e pulverizando-se a planta toda semanalmente até desaparecerem os sintomas. Uma observação importante seria de que existe uma incompatibilidade entre os produtos à base de enxofre e os produtos à base de óleo mineral ou vegetal, devendo-se dar um intervalo de no mínimo 15 dias se for alternar a aplicação dos mesmos e jamais misturar os dois produtos. Como apenas repelente, temos ainda a opção de pulverizar a planta preventivamente a cada 30 dias com óleo de Neen, como o Neen Max, na dosagem de 10ml por litro de água. Já na linha dos defensivos agrícolas, podemos recomendar o acaricida Vertimec, na dosagem de 2ml/ 1l de água, repetindo a aplicação a cada 15 dias até desaparecerem os sintomas.

É muito comum o ataque de ácaros em Bonsai de Coníferas da família dos Juniperus conhecidos como Shimpaku, Jacaré, Mini Jacaré e Juniperus procumbens nana. Neste caso a planta fica com um tom desbotado e amarelado e com a brotação desuniforme. Estes ataques quase sempre estão relacionados à pouca exposição ao sol e em plantas que ficam por longos períodos em locais internos e sem ventilação natural.

O principal método para prevenção e controle de ácaros seria a limpeza constante da planta, como retirada de folhas velhas, pó e sujeira das folhas, seguido de uma pulverização com Óleo vegetal Dimy, pelo menos a cada 30 dias (5 a 10 ml por litro) ou óleo de Neen, como o Nenn Max (10ml/1l), além de procurar manter a planta bem ventilada, ao ar livre e com bastante incidência de sol.

Lagartas

Lagartas são as formas jovens de futuras borboletas e mariposas. Estes insetos se alimentam de folhas e partes tenras das plantas. Os sintomas são o aparecimento de folhas comidas. Muitas vezes a lagarta se esconde no solo durante o dia e ataca as plantas durante a noite, deixando como marca também seus excrementos no solo, semelhante a pequenas bolinhas em carreiro. Algumas lagartas possuem cerdas de veneno ao longo do corpo, que podem causar graves danos, tanto para o ser humano, quanto para animais domésticos.

Normalmente são controladas através de pulverizações com inseticidas domésticos específicos, ou os mesmos citados anteriormente para o controle de pulgões, como Casa e Jardim, Malathion, Inseticon ou Resolva. Como apenas repelente, temos ainda a opção de pulverizar a planta preventivamente a cada 30 dias com óleo de Neen, como o Neen Max, na dosagem de 10ml por litro de água. Outra boa opção seria o inseticida sistêmico Resolva Spike.

Formigas cortadeiras

As formigas cortadeiras se caracterizam por formarem carreiros próximo às plantas atacadas e por cortarem a maioria das folhas e flores das plantas, deixando muitas vezes a planta somente com os ramos, isto é, totalmente desfolhada. Quando o ataque é parcial, assemelha-se muito com os sintomas de ataque de lagartas.

Pode-se repeli-las com inseticidas tradicionais, mas o controle mais efetivo é feito colocando-se iscas atrativas granuladas, específicas para formigas cortadeiras, aplicando as iscas próximo aos seus carreiros, ou próximo às plantas atacadas. Normalmente essas iscas são encontradas facilmente em casas agropecuárias e floriculturas.

Trips

São pequenos insetos sugadores que voam e saltam quando chacoalhamos a planta, sendo que suas formas jovens são do tamanho de pulgões e cujo sintoma principal de ataque é o enrolamento das folhas jovens, formando um tipo de casulo, que quando aberto expõe os minúsculos insetos no seu interior. Este tipo de ataque é muito comum em de Bonsai de Ficus, os quais quando atacados, ficam com as folhas novas enroladas.

Seu controle consiste na pulverização semanal com inseticidas como Insetcon, Malathion, etc, nas mesmas dosagens e frequência citados anteriormente e também, se possível catar e eliminar a maioria das folhas enroladas. Destaco ainda o moderno inseticida em comprimidos Resolva Spike, por ser mais prático e por controlar pragas por até três meses. Como apenas repelente, temos ainda a opção de pulverizar a planta preventivamente a cada 30 dais com óleo de Neen, como o Neen Max, na dosagem de 10ml por litro de água.

Lesmas e caracóis

Assim como para controle de formigas cortadeiras, hoje já existem no mercado iscas granuladas específicas e atrativas para controle de lesmas e caracóis.

Basta colocar a isca próximo às plantas atacadas.

Outras pragas

Como outras pragas menos comuns temos ainda as Larvas minadoras, Moscas brancas, Vaquinhas, nematoides, etc. Para as Larvas minadoras, cujo sintomas são pequenos carreiros cheios de curvas nas folhas, e Moscas brancas, cujo sintomas são brotos apicais comidos e danificados, devemos lançar mão de inseticidas sistêmicos como o Resolva Spike ou algum dos anteriores citados, como preventivos.

Para as Vaquinhas, que são minúsculos besourinhos verdes com pintas amarelas, e que comem as folhas, podemos lançar mão dos mesmos inseticidas para pulgões, cochonilhas e lagartas. Os nematoides são pequenos vermes que se alojam nas raízes, formando um inchaço nas mesmas, formando pequenos nódulos chamados de galhas, fazendo com que a planta se torne fraca e amarelada. O controle de nematoides é muito difícil e seria preciso lançar mão dos defensivos agrícolas de alto risco e toxicidade, como o Furadan.

 

Agora abordaremos as principais doenças que afetam os Bonsai e seus respectivos tratamentos.

Fungos

Normalmente os principais agentes causadores de doenças em Bonsai são os fungos, cujo sintoma principal são manchas necróticas e arredondadas nas folhas, ferrugem, podridão de raízes, amarelecimento e murcha da planta , seca de ramos inteiros e, algumas vezes, morte da planta. O ataque de fungos, na maioria das vezes, está associado ao excesso de umidade e ou temperaturas elevadas, assim como plantas estressadas. Portanto, atacam mais os bonsai que permanecem por longo tempo em ambientes fechados e sem ventilação, e ainda os que são regados e mantidos em local sem ventilação, não possibilitando desta forma que o substrato seque naturalmente até a próxima rega.

Vamos classificar os fungicidas em dois grupos.

Fungicidas preventivos e com ação de contato

Cupro Dimy, a base de cobre, apresentado em envelopes de 30 gramas, sendo sua dosagem de 5 gramas por litro de água, Forth Cobre apresentado em frasco de 60 ml, sendo sua dosagem 10ml por litro de água, Enxôfre Dimy envelope de 30 gramas, sendo sua dosagem 3g por litro de água, e Calda Sulfocálcica como a Calda Sulfertilizante em frasco de 1 litro ( Indústria Sulfertilizante de São Joaquim SC ) sendo sua dosagem 10ml por litro de água . Estes são fungicidas preventivos para os principais tipos de fungos, como os que causam manchas foliares, ferrugens, podridões. O tratamento deve ser feito no início dos primeiros sintomas. Pulveriza-se toda a planta e repete-se semanalmente, até o desaparecimento dos sintomas ou pulveriza-se preventivamente a cada 30 dias.

Existe uma restrição quanto ao uso de fungicidas à base de cobre (Calda bordaleza, Cupro Dimy , Forth Cobre) em bonsai de pessegueiros, ameixeiras e macieiras, que são plantas sensíveis ao Cobre, na fase em que estão com folhas ou flores. Porém, os mesmos podem e devem ser aplicados no inverno, na fase de dormência dessas plantas, isto é, quando estiverem totalmente sem folhas, como tratamento de inverno, normalmente após a poda. Na fase em que estas plantas estiverem com folhas, devemos utilizar como fungicidas preventivos o Enxôfre, Ex.: Enxôfre Dimy, 3g para 1 litros de água ou ainda a Calda Sulfocálcica Sulfertilizante, 10ml por litro de água, pulverizando toda a planta no início do aparecimento dos sintomas, repetindo-se semanalmente até o desaparecimento dos sintomas, ou a cada 30 dias, preventivamente.

No caso de corte de galhos mais grossos em seu bonsai, procure aplicar sempre uma pasta cicatrizante para prevenir a entrada de fungos.

No caso dos bonsai de folhas caducas como acer, maçã, figo, ameixa, pêssego, amora, etc, procure pulverizar sempre que puder, um desses fungicidas após a poda de inverno.

Fungicidas curativos de ação sistêmica

Estes fungicidas são os mais eficazes e tem um poder de ação bem superior aos fungicidas de contato, por serem sistêmicos e curativos e felizmente hoje já existe sua disponibilidade na linha de produtos domésticos.

Podemos recomendar o Fungicida Bravick (Fabricante Rawell Química Ltda) frasco de 10 ml cujo princípio químico é o Difeconazole, utilizando-se uma dosagem de 1ml por litro de água e pulverizando-se a planta semanalmente até o desaparecimento dos sintomas ou o fungicida Fungidor que já vem com borrifador, já vem diluído e tem o mesmo princípio químico do Bravick.

Controle do Fungo Oídio no Acer Deshojo

Vale a pena salientar a importância de um controle específico e preventivo para um fungo chamado Oídio no Bonsai de Acer Deshojo. Este fungo ataca o Acer no início de primavera até meados de verão a partir do momento que se inicia a brotação das primeiras folhas. Os sintomas aparecem nas folhas novas, as quais ficam recobertas com uma camada esbranquiçada semelhante ao efeito de uma geada, inibindo o desenvolvimento da planta. O Quercus roble (Carvalho europeu) e a Lagerstroemia indica (Extremosa ou Resedá) são espécies bastante conhecidas no mundo do Bonsai e que também são atacadas com frequencia pelo mesmo fungo.

Como o controle desta doença é difícil, recomendamos a utilização de 2 pulverizações preventivas de Calda Sulfocálcica Sulfertilizante (10ml/1L) no Inverno ou algum fungicida a base de cobre , quando a planta estiver sem folhas, e iniciar pulverizações quinzenais com a Calda Sulocálcica ou com o Enxofre Dimy ( 3g/1L) após a sua brotação, desde a Primavera até meados do Verão, principalmente em regiões onde o clima é muito quente e úmido, condições estas que aceleram o aparecimento e desenvolvimento da doença. Na linha dos defensivos agrícolas, destaco o uso do Fungicida Cercobin na dosagem de 1g por litro de água, semanalmente, para uma ação curativa da doença.

Vírus e Bactérias

Algumas doenças que afetam os bonsai também podem ser causadas por vírus e bactérias. No caso dos vírus, os sintomas se assemelham a mosaicos de cores diferentes nas folhas, as chamadas cloroses nas folhas, e não existe cura nem tratamento. Sabemos que o vetor principal de disseminação dessa doença são os insetos sugadores, principalmente os pulgões. Normalmente a planta atacada por virose vai ficando debilitada até a sua morte. O melhor método de controle então seria prevenir o ataque dos insetos sugadores que possam transmitir a doença. Mais uma vez eu cito o Inseticida Resolva Spike em comprimido, por proteger as plantas destes insetos por até três meses.

No caso de bactérias, estas causam podridões que muitas vezes se assemelham aos sintomas de fungos. Neste caso, o tratamento é difícil, mas o Sulfato de Cobre (Calda Bordaleza) tem um pequeno efeito preventivo e podemos fazer pulverizações semanais no caso de ataque da doença ou pulverizações preventivas a cada 30 dias.

Conclusões finais:

Sempre que os tratamentos efetuados acima não surtirem efeito, isto é, quando persistirem ou se agravarem os sintomas, podemos recorrer ainda aos defensivos agrícolas , que normalmente são mais eficazes, pelo fato de serem na maioria das vezes curativos e sistêmicos (circulam pela seiva da planta). Normalmente estes produtos são encontrados no comércio somente em grandes embalagens, visto que são destinados ao tratamento de grandes áreas de cultivo.

Deste modo, o seu uso requer cuidados especiais que somente um agrônomo poderá indicar. Muitas vezes são de difícil aquisição, pois tem a sua venda controlada, só podendo ser comercializados em estabelecimentos que disponham de um Engenheiro Agrônomo que possa orientar adequadamente o seu uso e que também possa emitir um receituário agronômico. Normalmente encontramos esses produtos em lojas agropecuárias e casas de comércio de defensivos agrícolas. Neste caso, é sempre importante levar consigo o bonsai ou parte da planta afetada a fim de que possa ser avaliada por um Engenheiro Agrônomo.

Para finalizar, devemos lembrar que um Bonsai fraco e debilitado, seja por falta de luz e ventilação, ou por falta de adubo, ou por falta de podas de manutenção e limpeza, ou ainda com replantio muito atrasado, vai ser muito mais suscetível ao ataque de pragas e doenças.

Portanto uma das melhores maneiras de se prevenir pragas e doenças consiste em manter sempre em dia os cuidados com o seu bonsai, procurando seguir as recomendações do manual de cuidados, o qual sempre deve sempre acompanhar o bonsai no ato de sua compra.

Escrito por: Edson Bruno Anderman
Fonte: Bonsai do Campo

Sobre Bruno Medeiros

Praticante da arte bonsai desde a adolescência, aprimorou sua dedicação pela arte após sua graduação em Ciências Biológicas e posterior especialização em Artes Visuais. Foi Presidente Fundador da Associação Bonsai Mato Grosso, em Cuiabá/MT. Atualmente reside em São José do Rio Preto/SP, sendo Diretor da Associação Bonsai Clube Rio Preto.

Veja essa publicação também!

Ansiedade de um bonsaísta principiante

Quando nos deparamos com a paixão arrebatadora pelo Bonsai, não nos sai do pensamento a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *